Paixão pela prótese passa de geração em geração

Imagem da notícia: Paixão pela prótese passa de geração em geração

Alexandre Monteiro, técnico de prótese dentária há mais de 32 anos, contou-nos que ia para o laboratório do seu pai, o técnico de prótese dentária Manuel João Monteiro, assim que terminava a escola.

Tinha apenas 12 anos, fazia os deveres escolares e, nas horas livres, “brincava” com as próteses, ajudando no que pudesse. Passava horas a fio no laboratório. “Os meus primeiros conhecimentos da área começaram em meados de 1982”, contou-nos o profissional.

“Com o decorrer do tempo, foi aumentando a curiosidade e o gosto pela profissão, tendo o meu pai muito cedo percebido que eu tinha alma para a elaboração de próteses. Porém, por vontade mútua, começou um maior empenhamento no meu desenvolvimento na prótese dentária e ortodontia removível, a área que o meu pai dominava. A partir dos 16 anos, iniciei a aprendizagem de uma nova especialidade para a época (1986), que era a prótese fixa, com o técnico Irineu Reis, nos seus cursos com outros colegas. Aos 17 anos, comecei a trabalhar por conta própria em removível e início da fixa.”

Alexandre Monteiro acabou, assim, por abraçar a mesma profissão do progenitor e, hoje, dedica-se de corpo e alma à Prótese Dentária.

Leia a entrevista na íntegra na LabPro 16, aqui.

12 Janeiro 2015
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Não acredito em Ronaldos na prótese dentária”

Pedro Chora Estadão, diretor do laboratório Pedro Estadão Dental Studio, acredita que o trabalho em equipa, com a cooperação entre todos os profissionais da área odontológica, é vital para se atingir o melhor resultado possível.

Ler mais 7 Outubro 2020
Entrevistas