Paulo Marques em entrevista

Imagem da notícia: Paulo Marques em entrevista

LabPro: Como descreve o setor da Prótese Dentária em Portugal, quer ao nível da tecnologia quer em relação à formação?

Paulo Marques: Em franco crescimento. Ao nível da formação, há sempre aspetos a melhorar. Acho que os recém-formados têm pouca prática. Deviam ser fomentadas parcerias entre as faculdades e os laboratórios durante a formação, para um maior contacto com a realidade diária, como também para abrir portas para o mercado de trabalho. Ao nível tecnológico, já existem muitos laboratórios com a tecnologia CAD/CAM, mas voltados unicamente para o zircónio, esquecendo-se do titânio e cromo-cobalto. Aqui no laboratório apostamos na diferenciação do nosso trabalho, por isso temos trabalhado com estruturas fresadas sobre implantes, usando não só zircónio como também titânio e cromo-cobalto. Assim conseguimos obter ajustes de alta qualidade, dando o nosso contributo para o sucesso, a longo prazo, das reabilitações.

Leia a entrevista integral na LabPro 11.

6 Fevereiro 2015
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Somos ceramistas de coração”

Com a crescente aposta no digital, Diogo Gomes vê a presença das máquinas com uma “enorme e indispensável ferramenta”, apesar de o seu trabalho continuar a “depender das mãos e da apreciação de um bom técnico”. A LabPro revê a entrevista realizada a um dos fundadores do laboratório DentalShaping.

Ler mais 7 Janeiro 2022
AtualidadeEntrevistasPrótese dentária