Os alunos de hoje ainda têm de ir para o estrangeiro?

Imagem da notícia: Os alunos de hoje ainda têm de ir para o estrangeiro?

Luís Fonseca afirma-se, cada vez mais, como um dos mais conceituados profissionais a trabalhar neste setor em Portugal. Uma entrevista em pleno centro de Lisboa, num espaço desenhado ao detalhe para aliar as componentes da arte e da técnica.

LabPro: Formou-se em prótese dentária em Portugal e seguiu para os EUA para fazer uma pós-graduação. Os alunos de hoje ainda têm de ir para o estrangeiro aprender mais?

Luís Fonseca: Já na altura o curso tinha um nível elevado em Portugal. Muito por responsabilidade do professor Simões dos Santos, tínhamos um grupo de professores dos Estados Unidos que vieram para ensinar no nosso curso e, portanto, muito do que nos transmitiam era o mesmo que os alunos lá aprendiam. Alguns de nós tivemos a oportunidade de ir para os Estados Unidos melhorar as nossas competências e aprender como ensinar outros. Estamos neste momento, penso eu, ao mesmo nível ou a um nível mais elevado que em qualquer outro país, mas isso não quer dizer que não se continue a sair para aprender o que fazem outros colegas noutros países.

Conheça a entrevista na íntegra na edição de outubro da LabPro.

Subscreva a sua assinatura aqui

10 Outubro 2018
Entrevistas

Notícias relacionadas

“A vertente artística de cada técnico tem de estar presente no complemento ao trabalho digital”

Formado há pouco mais de dois anos, o Atelier 32 é um laboratório focado na “prática exclusiva na criação de próteses fixas sobre dentes e sobre implantes”. A LabPro conheceu este atelier e falou com Sandra Pinto, diretora técnica e sócia gerente de um laboratório que funde o “digital e o analógico”, orientado na “personalização artística de cada trabalho”.

Ler mais 25 Novembro 2021
Entrevistas