Pedro Chora Estadão: Covid-19 e o impacto na prótese dentária

Imagem da notícia: Pedro Chora Estadão:  Covid-19 e o impacto na prótese dentária

O técnico de prótese dentária Pedro Chora Estadão partilha com a LabPro qual será o impacto da Covid-19 no setor. “A minha opinião corre o risco de não ser acertada, uma vez que não tenho uma visão global do setor. Apenas conheço a realidade concreta dos laboratórios que estão debaixo da minha supervisão e aquilo que alguns colegas e clientes me têm confiado acerca da situação dos seus próprios laboratórios e consultórios”.

Acrescenta: “Numa primeira análise, parece-me que os efeitos do isolamento social, nomeadamente, o medo do contacto com o outro, vão ser devastadores e duradouros. Apesar de se adivinhar um tempo inicial, que vai durar umas poucas semanas, em que vai haver muito trabalho, espera-se que o mercado venha a abrandar até níveis próximos da estagnação. A situação, para já, é nebulosa, porque ainda há muito trabalho nos laboratórios e nas clínicas que resulta de compromissos assumidos antes da paragem do mercado, todavia, o medo do contágio que, neste momento, domina o público, não agoira nada de bom para o resto do ano de 2020. O facto de a reabertura de clínicas e laboratórios se dar a apenas três meses da época baixa, (setembro e outubro são meses tipicamente fracos para a nossa indústria). Em minha opinião, pressupõe que a recuperação da confiança, se entretanto não houver uma segunda vaga do vírus, vai coincidir com o regresso às aulas, o que vai atirar o início da nossa recuperação lá para o Natal”.

Diz ainda que “conforme se pode imaginar, a lenta recuperação que se adivinha, conjugada com os efeitos nefastos de dois meses de despesas com infra-estruturas, bancos e pessoal, sem qualquer retorno, vai fazer abanar muitas empresas sólidas, levar ao abandono de projetos que estavam a começar e ao encerramento de algumas empresas médias que tinham elevados custos com pessoal e falta de liquidez. Também devemos estar preparados para um aumento notável dos índices de desemprego para a nossa profissão. Nos próximos dois ou três anos, a prótese dentária não vai ser uma boa escolha profissional. Os ordenados vão baixar porque os patrões vão ter medo de uma reprise deste episódio e vão precisar de reservar uma fatia mais substancial das receitas. Por outro lado, este fenómeno vai potenciar as pequenas empresas familiares, que, tradicionalmente, têm mais capacidade de sobrevivência a este tipo de crises e vai, possivelmente, aumentar o número de novos projetos, iniciados por técnicos que, de um dia para o outro, se vão ver sem outras saídas profissionais. A matriz do tecido empresarial vai mudar substancialmente e vamos emergir da crise com um setor mais competitivo, constituído por empresas mais sólidas e com melhor oferta de preço e de qualidade”.

Opinião completa em breve.

30 Maio 2020
Opinião

Notícias relacionadas

Uma visão da profissão à missão do setor

A opinião de Sara Martins, técnica de prótese dentária, na mais recente edição da sua revista profissional. Subscreva a revista LabPro 50 e tenha acesso a conteúdos exclusivos do setor.

Ler mais 19 Maio 2023
Opinião

Colocar a saúde oral na agenda de saúde global

Juan Manuel Frade, diretor geral da Align Technology na Península Ibérica, descreve num artigo de opinião como "as doenças da cavidade oral estão entre as doenças não transmissíveis mais comuns em todo o mundo".

Ler mais 11 Maio 2023
Opinião