“A vertente artística de cada técnico tem de estar presente no complemento ao trabalho digital”

Imagem da notícia: “A vertente artística de cada técnico tem de estar presente no complemento ao trabalho digital”

Formado há pouco mais de dois anos, o Atelier 32 é um laboratório focado na “prática exclusiva na criação de próteses fixas sobre dentes e sobre implantes”. A LabPro conheceu este atelier e falou com Sandra Pinto, diretora técnica e sócia gerente de um laboratório que funde o “digital e o analógico”, orientado na “personalização artística de cada trabalho”.

Qual é o vosso percurso até aos dias de hoje?

Iniciamos este projeto há dois anos e meio, com uma filosofia de trabalho muito própria. A facilidade de comunicação, o rigor e a dinâmica que apresentamos no nosso trabalho, interligada à ajuda constante no encontro do melhor planeamento dos trabalhos, permitiu-nos criar uma relação de confiança com os nossos clientes e o nosso crescimento tem-se sustentado na qualidade que apresentamos no nosso produto.

Quem são os vossos principais clientes e parceiros?

O foco e a prioridade do nosso trabalho é oferecer a melhor reabilitação oral ao paciente. Para que este propósito seja alcançado é fundamental uma sinergia entre o técnico de prótese dentária e o médico dentista durante todas as fases do tratamento. Dessa forma, os nossos clientes e parceiros, são profissionais que trabalham dentro deste conceito e filosofia.

Como é constituída a vossa equipa?

Somos uma equipa jovem com três técnicos de prótese dentária, um médico dentista e uma administrativa. Trabalhamos de forma multidisciplinar, com os conceitos técnicos e científicos atuais. A aposta na formação estende-se a toda a equipa de modo que o nível de exigência seja sempre elevado. A diferenciação de termos um médico dentista na nossa equipa, passa pela transmissão do seu “know-how” e visão clínica, o que é fundamental quando há um complemento entre duas áreas distintas, mas igualmente complementares.

Com que produtos trabalham para a criação da maior parte das vossas soluções e qual a etapa mais importante no processo ou planeamento de um tratamento?

A seleção do material tem sempre por base o tipo de restauração/reabilitação a executar. Atualmente, os materiais que mais trabalhamos são: a zircónia, o dissilicato de lítio e a cerâmica feldspática reforçada com leucite.

Para nós a etapa fundamental é o planeamento do caso (tendo em consideração todos os aspetos clínicos e laboratoriais), adicionado à elaboração de um enceramento de diagnóstico realista de acordo com a expectativa do paciente e para que, acima de tudo, seja de execução previsível para nós técnicos e para os clínicos.

Numa recente publicação online falam do trabalho do laboratório e da relação homem-máquina. Qual o input dos meios digitais no vosso trabalho hoje em dia?

A era digital na nossa área veio para ficar, está em constante evolução e vemos como uma enorme mais-valia para o fluxo do trabalho laboratorial. Veio simplificar etapas e tornar todo o trabalho mais previsível. O nosso laboratório está equipado e preparado para um “workflow digital” de A a Z, desde a sua abertura, e podemos afirmar que todos os trabalhos que entram no nosso laboratório passam pelo digital.

Entrevista completa para ler na LabPro 44.

25 Novembro 2021
Entrevistas

Notícias relacionadas

“Se queres um trabalho brilhante precisas de pessoas brilhantes”

Em 2004 Diogo Gomes criou a ProtoArt, um pequeno laboratório sediado em Lisboa, no Parque das Nações. Mas foi em 2017, que surgiu o nome DentalShaping, um projeto novo e conjunto entre Diogo e a Tatiana Gomes. Uma história de amor a três que quisemos conhecer. A LabPro conversou com Diogo Gomes para saber mais sobre este projeto.

Ler mais 19 Novembro 2021
EntrevistasPrótese dentária